Sejam bem vindos pra dentro de mim. Aqui, estou expondo emoções, revelando minha alma, compartilhando com carinho... Publicando sentimentos. (Gil Façanha)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Poética Liberdade (Dueto)




Breve instante a pensar, me encerro,
Que tal liberdade é a mim comedida.
Poeticamente ser livre espero,
Não limitar-me a regras pré-concebidas.

Entreguei-me ao prazer que a poesia me traz.
Entre versos e prosas, sou mais eu do jamais fui.
Da liberdade que anseio, tenho fome voraz,
E vou além dos conceitos que um dia me impus.

 De que adianta um bom verso rimado,
Ou perfeita separação de sílabas medidas,
Se ao poetar não encontro o afago,
Do que intento expurgar, em minh'alma contida.

Enclausurado senti-me nas fronteiras por outrem criadas,
Abstendo-me assim da livre inspiração.
Mas sigo meu estilo de poesia liberta adotada,
Sem recear criar, nem refutar qualquer opinião.

Sou o avesso do limite imposto,
E a obediência quando bem me aprouver.
Mas cada poeta tem seu estilo, seu gosto,
Escreva do jeito que tua alma quiser.


Gil Façanha Wes Rocha

2 comentários:

Poeta Insano disse...

Gil!!!
Quanto tempo?!
E chego aqui e me deparo com esse belíssimo dueto.
Vocês escreveram com propriedade e conhecimento de causa sobre o Poeta e a Poesia. A liberdade que estes seres pensantes levam em suas palavras, é o melhor dos prazeres que a alma pode provar.
Parabéns, MESMO!
Um dia eu volto, e quem sabe, podemos fazer um dueto também.
Um abraço.

Mari disse...

A poesia sempre foi uma busca de liberdade aos poetas,é na poesia que expomos nossos sentimentos e nossa ansia de libertarmos o que esta contido dentro de nós.
Amei o poema querida!
passei por aqui e deixo mil beijos pra você e te desejo muito sucesso pelo seu livro!!!

Search box

Related Posts with Thumbnails