Sejam bem vindos pra dentro de mim. Aqui, estou expondo emoções, revelando minha alma, compartilhando com carinho... Publicando sentimentos. (Gil Façanha)

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Divagando





Devoram-me todas as dúvidas nesse universo de incertezas.
Divago sobre possibilidades que não me pertencem, posto que o futuro ainda não é meu.

Disfarço em cada vivido momento presente, e me nego que por mais que tente, não consigo retornar ao caminho que já se perdeu.

Perco-me em multidões que me estranham, me desconhecem... Mas me acalmo em um abraço solitário de minha auto-aceitação.

Despeço-me de certos medos, mas assumo uma eterna angústia, única emoção que persiste em me acompanhar.

Insisto em ser apenas eu, e grito ao mundo para que nada esperem daquela que hoje sou.

Pois todas as minhas buscas, já são por si só, minha própria espera de mim.

Gil Façanha

" Perder-se também é caminho"
(Clarice Lispector)

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Sou meu próprio mistério




Admito que não me entendo... Mesmo sabendo exatamente quem sou.
Pareço não estar em busca de nada, e, no entanto nenhum caminho está completo pra mim.
Tenho todas as razões pra ser feliz, ainda que sinta que o que preciso não está aqui.
Busco a liberdade plena, mas não consigo desatar meus próprios nós.
Tenho uma mente aberta, aceito tudo o que em tradução signifique felicidade, mas não consigo aceitar magoar alguém.
Escrevo pra me libertar, mas sinto-me presa em cada linha, por receio das possíveis interpretações.
Quero voar, mas tirei minhas próprias asas por não saber bem aonde ir.
Quero ser eu mesma, mas tenho sido apenas o que querem de mim.
Sinto saudades que não mato.
Tenho amores que não assumo.
Crio segredos pra ter a ilusão que ainda sou dona de mim, ainda que odeie tê-los.
Sou controvérsia pura, ainda que esteja apenas tentando dizer o que penso.
Sou exatidão, mesmo que nem sempre deixe tudo claro.
Sou o medo de tentar e acabar sofrendo.... Apesar de sofrer por ter medo.
Quero tudo o que faço, embora não faça tudo o que queira.
Tenho uma alma dividida entre o certo e o errado... Mas confesso que o errado me atrai de uma maneira que parece certo.
Oculto todos os meus sentidos pra não chocar os que pensam saber quem sou... Ainda que na verdade, eu me sufoque por me ocultar.
Não quero deixar cicatrizes... Mesmo que já não consiga mais contar minhas próprias marcas.
Posso ser a salvação de uma alma acorrentada... Embora jamais tenha, de verdade, libertado a minha.

Gil Façanha

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Autonomia



Preciso me perder...
E me perdendo, me achar
E me cansando de buscar, encontrar o que sempre esteve aqui.

Preciso das perguntas, pra encaixar nas respostas
Que já me foram impostas quando não havia o que questionar.

Preciso preencher esse vazio
Que lotado de possibilidades, vive em seca de realizar.

Preciso sentar a beira do caminho
E quem sabe assim sozinho
Eu descubra uma nova estrada a caminhar.

Preciso seguir em frente
Mas que ninguém dependa da minha mente
Pra chegar a algum lugar.

Pois tentando decidir pra onde vou
Sem saber nem mesmo onde estou...
... Me perdi no ponto em que a paixão me deixou.


Gil Façanha

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Silêncio! Eu agora penso por mim.



Falo verdades vagas,
 me encosto no tempo pra que ele me leve e me revele sua mudança enfim.

Grito sussurros roucos, transcendo rompantes loucos,
 me ponho nua em vestes tuas, e me perco de mim.

Assisto uma novela real, com final nada fenomenal,
 pois tudo se repete, usando a máscara do bem e do mal.

Não me defendo, pois não há culpa em mim.
 Não te perdôo, por que essa mágoa nunca chegou aqui.

Subo degraus de padroeiras, na volta trago minha triste bandeira...
 Perdi a fé que me empurraram garganta abaixo.

E tentando pensar por mim, não me condenando por ser assim...
Hoje sigo em frente levando em conta o que EU acho.


Gil Façanha


Search box

Related Posts with Thumbnails